• ]
 

O CURIÓ: DOENÇAS
DOENÇAS E PARASITAS

Introdução:
Tenho sempre como norma na minha criação, não administrar nenhum medicamento preventivo, nada. Sigo sempre a orientação de veterinários.
Sempre primo pela saúde do plantel com muita higiene, água limpa e fresca, sol constantemente, alimentação seca, sementes livres de fungos e novas, adquirindo em lojas de total confiança e evitando ambientes úmidos e pouco ventilados, preferindo sempre os mais quentes e menos abafados.

ÁCARO VERMELHO:
É parasita noturno, se protegendo e reproduzindo em frestas, rachaduras e vãos, durante o dia. Seu ciclo de vida pode ser completado em uma semana. Em criadouros pode permanecer por 6 meses, após a retirada das ave. A transmissão do problema se dá através de objetos "contaminados" como: gaiolas, comedouros, capas de gaiolas, outros acessórios e pelo próprio trânsito de pessoas de um criadouro a outro.
Eles causam incômodo noturno, quando vão se alimentar (sangue). A ave não dorme direito, se estressando e perdendo nutrientes para o parasita. Podem causar: diminuição da eficiência reprodutiva nos machos, diminuição da postura nas fêmeas, diminuição da velocidade de crescimento dos filhotes, fraqueza, letargia, e diminuição de apetite.
Dificilmente leva a morte. Como profilaxia (prevenção): fazer quarentena das aves adquiridas, higiene de galpão, gaiolas e acessórios, tratamento preventivo de aves suspeitas, evitar que aves de torneio retornem diretamente ao plantel, pois podem estar portando o parasita, adquirida de outra ave comprometida.

Fonte: revista Passarinheiros e Cia, Dr. Luiz Alberto Shimaoka.

ÁCARO DE PERNA E FACE: (knemidocoptes)
Causa sarna de bicos, penas, e pés.
Vive sob as sob e pele da ave, em galerias, promovendo a coceira. A contaminação por este é multifatorial, sendo que as principais são: umidade ambiental baixa, hipovitaminose A (deficiência de vitamina A) , deficiências nutricionais. O ácaro após infectar uma ave, pode ficar até dois anos, em forma latente (dormente), sem levar o quadro clínico da doença. Causam lesões queretinizadas proliferativas (crostas) ao redor do bico, anus, pernas e pés. Geralmente as infecções crônicas (de longa data) levam a deformação de bicos e unhas. Como profilaxia (prevenção): fazer quarentena e tratamento preventivo das aves, cuidados com a higiene de gaiolas acessórios e ambiente, correção alimentar, ambiente de criação de aves deve ser bem ventilado e arejado, mas sem corrente de vento.

Fonte: revista Passarinheiros e cia, Dr. Luiz Alberto Shimaoka.

PIOLHO DE PENA:
Causado por ácaro que se alimenta da própria pena , as cerdas ficarão com aspecto "roído", quebrado imperfeito e sem brilho. Dependendo da quantidade de ácaros, podem comprometer o vôo e retenção de temperatura ( pois as penas agem como protetor e isolante térmico) Alem do aspecto estético que fica prejudicado pela presença de penas imperfeitas. Profilaxia (prevenção): fazer quarentena e tratamento preventivo das aves, cuidados com a higiene de gaiolas acessórios e ambiente, correção alimentar, ambiente de criação de aves deve ser bem ventilado e arejado, mas sem corrente de vento.

Fonte: revista Passarinheiros e cia, Dr. Luiz Alberto Shimaoka.

ISOSPOROSE OU COCCIDIOSE:
Agentes causadores: Isospora lacazei e outras espécies do mesmo gênero. É um micróbio semelhante ao que causa as eimerioses. O reconhecimento só é feito pelo exame microscópico na fase adulta.
O micróbio é expelido pelas fezes e, ao atingir a faze adulta no chão, pode infectar os pássaros pelo ar, através da comida e da água.
Os pássaros adultos podem ser portadores da isosporose sem apresentarem os sintomas da doença, porém as fezes contaminadas podem atingir outros pássaros ou os próprios filhotes.
A infecção se agrava nos filhotes por serem mais sensíveis.
Sintomas: Os pássaros ficam tristes, arrepiados, sem forças para voar, mesmo que deles nos aproximemos. As fezes se tornam moles e as vezes sanguinolentas.
Os olhos ficam com as pálpebras semicerradas, um pouco inchadas, e, às vezes, purgando.
A autópsia revela intestino inflamado, com parede avermelhada,e , às vezes, com sangue. Manchas esbranquiçadas podem estar espalhadas pela parede intestinal.
Controle da doença: Muita higiene, evitar umidade.
Medicamentos indicados: Vitasol Coccidex, usar por no mínimo 5 dias, ou até o desaparecimento dos sintoma, ou medicamentos a base de sulfa.
Profilaxia: Limpeza diária das gaiolas. Evitar que pardais e outros pássaros comuns em liberdade sujem as gaiolas ou a comida.

MALÁRIA OU PLASMODIOSE:
É transmitida por mosquito.
Agente causador Plasmodium praecox (existem outras espécies do mesmo gênero).
A malária dos pássaros é produzida por agentes muito parecidos com a do homem, mas não há contaminação, nem de um nem de outro.
Sintomas: A ave fica arrepiada, febril, não se alimenta, os olhos ficam semicerrados e ela, freqüentemente, tem dificuldade de respirar. (a toxiplasmose possui sintomas semelhantes.)
Controle da doença: Em aves já doentes deve-se ministrar cloridrato de quinina, na dosagem de 1,5 miligrama ao dia. Prepara-se uma solução de 2% e dá-se, em duas vezes, cinco gotas por vez.

Fonte: Como criar curiós e bicudos com sucesso - José Mitidieri

COLIBACIOLIOSE:
É de difícil diagnóstico em vida. somente um exame feito na autópsia pode detectá-lo. Pode ser confundida com cólera, quando o pássaro morre em pouco tempo.
Controle da doença: higiene das instalações e imediata remoção do pássaro doente.

Fonte: Como criar curiós e bicudos com sucesso - José Mitidieri

PARATIFO:
Agente causador: Salmonella typhimurium (podem ocorrer outras espécies, excluindo-se a S. pullorum e a S. gallinarum).
Sintomas: Os pássaros ficam "encorujados" e apresentam fezes sanguinolentas. A doença é fatal, na maioria dos casos.
Controle da doença: Eliminar o pássaro doente e desinfetar muito bem o local.
Fonte: Como criar curiós e bicudos com sucesso - José Mitidieri.

CÓLERA:
Agente causador: Pasteurella avicida
Sintomas: Os pássaros ficam enfraquecidos, as fezes ficam muito moles, sanguinolentas de de coloração amarelada.
A autópsia revela coração com secreção líquida turvas e sinais de sangue, pulmões vermelhos, intestinos também vermelhos e sanguinolentos, fígado com lesões de cor acinzentada.
A doença se propaga pelas secreções produzidas na boca e nariz.
Controle da doença. Usar medicamento a base de Sulfa (sulfatiazol, sulfametazina etc.)
Medicamentos modernos indicados: Neo-sulmetina SM, que é uma associação de sulfaquinoxalina e neomicina.
Põem-se dez gotas no bebedouro durante três dias. Descansa-se dois dias e repete-se o tratamento.
Avemetasina, que é uma associação de sulfaquinoxalina e sulfametasina.
É preparada com 2,5 ml do para um litro de água. Adiciona-se uma colherinha de café de bicarbonato de sódio.
Existem outros medicamentos como o Statyl, Averol, Tique-Taque, Averex, Avitrin antibiótico etc.

Fonte: Como criar curiós e bicudos com sucesso - José Mitidieri.

CORIZA:
Agente causador: Hemophilus gallinarum (forma aguda). Corpusculo cocobaciliforme ( forma lenta). As duas vêm associadas.
Sintomas: Secreção aquosa nos olhos e narinas.
Com a evolução da doença, as narinas ficam completamente obstruídas. Os olhos, em virtude da infecção,ficam inflamados e a ave perde a visão.
Ocorrência: Em locais sujeitos a ventos frios e lugares úmidos.
Controle da doença: É recomendado somente no início. Usar Argirol a 10% para pingar nos olhos. Misturar na comida Sulfatiazol a 1% durante cindo dias.
Fonte: Como criar curiós e bicudos com sucesso - José Mitidieri.

ASPERGILOSE:
Agente causador: Aspergillus fumigatus (e diversos fungos do mesmo gênero).
Há possibilidade de serem infectados as vias respiratórias, os olhos e a pele.
Sintomas: Quando a infecção se dá nas vias respiratórias ( pulmão), o pássaro respira mal, emagrece e morre.
Controle da doença: O tratamento consiste somente na prevenção. Evitar alimentos estragados e mofados e a umidade.
Quando a infecção ocorre nos olhos, percebe-se que estes ficam irritados e lacrimejantes. A aspergilose não deve ser confundida com coriza e a difteria.
A infecção cutânea provoca perda das penas, que se quebram facilmente.
Controle da doença: É feita com rigorosa higiene em locais bem arejados e ventilados.

Fonte: Como criar curiós e bicudos com sucesso - José Mitidieri.

www.curioparacambidobrasil.com.br - 2022 - Desenvolvimento: